Browsing articles in "Barbados"
jan 27, 2012
temperourbano

Barbados parte IV: passeios turísticos

 

Fugindo um pouco da gastronomia, vamos falar neste post sobre as atrações turísticas de Barbados. Apesar de ser pequena, há muito que ver e fazer por ali, a começar pelas maravilhosas praias.

Para termos mais liberdade para circular pela ilha, alugamos um carro. Tentamos achar um logo que aterrissamos, no aeroporto mesmo, mas não havia veículos pequenos disponíveis. No dia seguinte, ligamos para algumas empresas e acabamos escolhendo a Coconut Car Rentalls. Optamos pelo Suzuki Swift, 4 portas, automático (a direção na ilha é na mão inglesa) e com ar-condicionado (R$ 525,00 por 7 dias). Algumas horas depois o carro já estava no nosso hotel, muito prático!

Há inúmeras praias na ilha pra você conhecer. Posso ficar aqui listando várias delas, mas meu conselho é que você pegue o carro e um mapa e saia dirigindo. Vai errar muito, se perder horrores, mas garanto que é a melhor forma de descobrir lugares paradisíacos.

Um lugar que não podem deixar de conhecer é Batsheba, uma região de praias com ondas fortes – onde só surfistas se aventuram no mar – e com formações rochosas incríveis. Não foi nada fácil chegar aqui, pois é muito longe e a sinalização (se é que existe!) é péssima! Pare no caminho para conhecer a Crane Beach, praia que só tem acesso pelo hotel The Crane. A vista é magnífica!

Há uma caverna muito famosa em Barbados, a Harrison’s Cave, que é muito procurada pelos turistas. Um casal de amigos foi e nos contou que está tão artificial que não vale a pena. No lugar dela, optamos por conhecer a Animal Flower Cave, no extremo norte da ilha. É de tirar o fôlego!

Um dos melhores passeios que você pode fazer na ilha é o de catamarã! Há várias empresas oferecendo o serviço, mas decidimos ir pelo El Tigre Catamaran. É uma delícia! O barco o levará para conhecer um bom pedaço da costa oeste, nadar com as tartarugas e mergulhar com snorkel e ver navios naufragados. O preço é um pouco salgado (cerca de R$ 150 por pessoa), mas vale cada centavo. Tem duração de cerca de 5 horas e inclui almoço. As bebidas são a vontade e tem de tudo: água, suco, refrigerante, cerveja, vodka… Cuidado pra não beber demais e passar mal, hein!

No mesmo dia que fizemos esse passeio, fomos jantar no Harbours Light, um espetáculo que reúne muita música, acrobacia, espetáculos culturais e malabarismo tudo numa noite só. O lugar faz lembrar um lual, pois as mesas ficam na areia e cercadas de várias tochas. Há apresentações de todos os tipos e o público é convidado a participar de algumas das brincadeiras. A atração inclui um farto e delicioso jantar e as bebidas estão todas inclusas (cerveja, refrigerante, e drinks tropicais). Após o show, começa uma balada bem animada, aberta aqueles que não participaram do jantar.

Outro ponto turístico muito interessante de conhecer é o Mercado de Peixe de Oistins, uma grande feira (festa) gastronômica repleta de barraquinhas de comida. Dizem que sexta-feira é o melhor dia para ir, mas prepare-se porque é uma bagunça, extremamente cheio e bastante barulhento!

Lá você encontrará uma enorme variedade de peixes para comer, além de camarões, lagostas e outras opções. No local que escolhemos, vinha ainda como acompanhamento salada, uma torta de macarrão típica de lá, arroz e batata. O prato, como pode ver na foto abaixo, era um monstro!  Haja estômago e fome para tudo isso!

Se você estiver pensando em ir para Barbados e quiser nos perguntar alguma coisa, tirar alguma dúvida, deixe um comentário abaixo e teremos o enorme prazer em ajudá-lo!

jan 6, 2012
temperourbano

Barbados parte III: gastronomia (fast-food)

 

Perto do hotel que ficamos, o Amaryllis Beach Resort, tem um centrinho gastronômico chamado QuaySide Centre com algumas opções de lugares para comer, como o Picasso’s Pasta House,  um fast food italiano bem barato e gostoso. Além de massas, o restaurante oferece também hambúrgueres.

As massas custam em média $ 30 e os pratos são muito bem servidos. Experimentamos o Georgie’s Spaghetti ($ 32,95), com bacon, salsicha, presunto, tomates, sweet pepper, cebola e molho de tomate. Estava espetacular! Já os sanduíches variam de $ 18 a $ 30, sendo que o Cheese Burger & Fries sai por $ 22,95. A Banks, cerveja típica da ilha, sai por $ 5 a longneck.

Neste mesmo lugar tem uma sorveteria muito boa, a Chilly Moo’s. Uma bola, no copinho ou casquinha, sai por $ 5,50 e duas, por $ 7,50. Tem várias outras sugestões, como waffles ($ 12) e milk-shakes. O lugar é todo decorado com vaquinhas, uma graça!

 

Para quem não quer gastar muito, mas comer bem, aconselhamos o Just Grillin’, uma rede de restaurantes com várias unidades espalhadas pela ilha. O lugar é bem simples, então é uma boa opção para almoçar, pois você pode entrar molhado e sujo de areia que ninguém irá reclamar!

Pedimos aqui o Barbequed Chicken Quarter ($ 30,95), que vem com dois acompanhamentos a sua escolha: salada, vegetais e batatas ou arroz. Apesar da moça que nos serviu jurar que não era apimentado, o molho barbecue estava sim um pouco picante! Para acompanhar, peça uma Banks ($ 5,50)!

 

Há uma rede de fast food muito famosa na ilha chamada Chefette que tem em tudo quanto é canto de lá. Jantamos aqui um dia e optamos por pedir pizza ($ 35,00 a grande). Adivinhe, o molho é picante! Fora isso, é uma sugestão barata, rápida e perfeita para matar a fome. Você pode escolher quatro ingredientes e montar sua pizza conforme seu gosto.

 

Obs.: Os preços estão em dólares barbadianos ($), que equipare-se a nossa moeda.

Se você estiver pensando em ir para Barbados e quiser nos perguntar alguma coisa, tirar alguma dúvida, deixe um comentário abaixo e teremos o enorme prazer em ajudá-lo!

jan 5, 2012
temperourbano

Barbados parte II: gastronomia (restaurantes)

 

A comida caribenha sofre influência de vários países e é famosa pelo seu sabor picante. Em Barbados, quase tudo o que você come é apimentado. Quem não gosta, irá sofrer bastante com isso!

Os pratos com peixes e frutos do mar são bastante comuns. O que mais você encontrará por lá, entretanto, é o flying fish, um peixe de tamanho mediano, servido sempre frito. É servido como porção, no sanduíche ou no prato, com arroz e outros acompanhamentos.

A ilha tem uma variedade riquíssima de restaurantes, um mais bonito e atraente que o outro! Já os preços não são muito convidativos. Os melhores restaurantes, com as vistas mais bonitas, vão fazer você deixar uma média de R$ 100,00 por pessoa, mas acho que é uma experiência que vale a pena.

Uma opção que pode soar estranha, mas que vale a visita é o Paulo’s Brazilian Bar & Lounge, em St. Lawrence Gap. Apesar do nome e do cardápio estar em português, o Paulo, que na verdade é Paul, não tem nada de brasileiro. No andar de cima, há uma churrascaria, que não aconselho ir, pois é bem cara e para comer churrasco, melhor que seja no Brasil.

O andar de baixo é o que interessa. Há uma grande variedade de pratos no cardápio que vão desde frangos, carnes, peixes e frutos do mar e massas. Uma dica que vale tanto para este quanto para qualquer outro restaurante ou bar: nunca peça entrada! São minúsculas, caras e você ficará revoltado!

Caímos na besteira de pedir de entrada Iscas de peixe ($ 16) e olhem só o que veio!

 

Pelo menos acertamos nos pratos principais! Experimentamos a Posta de dourado grelhado ($40), com arroz e batata assada, que estava delicioso. Porém, o campeão ficou para o Misto de frutos do mar com linguine ($ 35), que estava espetacular de bom!

 Na entrada do hotel Amaryllis Beach Resort há um restaurante chamado 39 steps, que vale a visita! O lugar é muito bonitinho e a comida excelente! Experimentamos ali o Braised lamb shank ($ 52), um cordeiro super macio coberto com um delicioso molho e servido com purê de batatas e vegetais! O outro prato que pedimos foi o Flying Fish com salada, que não me recordo o preço. A casa oferece também massa, saladas e pizza.

Uma dica legal que vale para qualquer restaurante, inclusive no bar do hotel, é que a água de torneira é de boa qualidade e você pode beber sem se preocupar. Então já sabe, se quiser economizar, peça uma “tap water”!

Obs.: Os preços estão em dólares barbadianos ($), que equipare-se a nossa moeda.

Se você estiver pensando em ir para Barbados e quiser nos perguntar alguma coisa, tirar alguma dúvida, deixe um comentário abaixo e teremos o enorme prazer em ajudá-lo!

jan 4, 2012
temperourbano

Barbados parte I: hospedagem

 

Fomos conhecer Barbados, a ilha mais ao leste do Caribe, em agosto de 2011. Não preciso nem dizer que o lugar é paradisíaco e foi uma das melhores, senão a melhor, viagem que fizemos até hoje. Como se trata de um lugar diferente e com poucas informações disponíveis na Internet, faremos uma série de posts descritivos do lugar e, claro, de sua gastronomia.

 

Compramos a passagem de ida e volta para Barbados pela Gol por menos de R$ 1.200,00, ou seja, mais barata do que muitos outros destinos brasileiros. E a companhia faz vôos diretos para a ilha, o que não o fará gastara mais do que 5 ou 6 horas dentro do avião. Como só há vôos aos sábados, não tem como ficar menos de uma semana, o que é pouco para quem está no paraíso!

Sobre os hotéis, há de todos os tamanhos, gostos e requintes! Optamos por ficar no Amaryllis Beach Resort, um hotel 3 estrelas que um casal de amigos nos recomendou e que oferece um ótimo custo-benefício. Fizemos a reserva pelo site hotéis.com, pois a diária estava num valor bem atrativo.

O hotel fica em Bridgetown, capital de Barbados, e está próximo a vários restaurantes, supermercados, lojas e tudo mais que você possa precisar. A infra-estrutura é excelente! Têm duas piscinas muito boas, uma jacuzi, restaurantes, loja de conveniência, loja de presentes, um pequeno cassino na entrada, academia, spa, sala de jogos eletrônicos, entre outras coisas.

Ficamos no quarto de frente para a piscina, pois era mais barato. No começo fiquei preocupada com o barulho, mas não tivemos problema com isso nenhum dia. À noite o hotel fica deserto e você conseguirá dormir tranquilamente! Os quartos são equipados com cozinha e como o café da manhã do hotel era muito caro, comprávamos algumas coisas no supermercado e tomávamos ali mesmo.

Os funcionários são muito prestativos e sempre dispostos a ajudar. Logo no primeiro dia, levaram-nos para fazer um tour pelo hotel. Já eram quase 2 horas da manhã, mas o homem não pareceu se importar nenhum pouco com isso. Os bajans (gíria para designar quem nasce na ilha) adoram os brasileiros e vão querer sempre puxar assunto e conversar com você sobre o nosso país.

Vimos algumas críticas na internet de hóspedes reclamando de sujeira, mas não tivemos nenhum problema quanto a isso. Apenas o telefone do nosso quarto e o ar-condicionado do quarto de um casal de amigos que não funcionavam, mas conversei com os atendentes e no mesmo dia foram consertados!

Vamos ao que interessa: a praia do hotel! Apesar de ser bem pequena, é muito agradável e bonita. Uma barreira de rochas faz com que o mar fique uma piscina, perfeito para crianças. O Amaryllis disponibiliza equipamentos de esporte aquático para você alugar, como caiaque, prancha e snorkel. Uma dica: aproveite o fim de tarde para passear de caiaque e veja o pôr-do-sol de dentro do mar. É uma experiência única!

 

Se você tiver sorte poderá ver nessa praia centenas de tartaruguinhas nascendo e ajudá-las a chegar até o mar. Infelizmente não tive essa sorte, mas conheço quem já teve e disse que é maravilhoso presenciar este momento!

Em compensação, vimos uma família de macaquinhos fazendo a festa no hotel! Uma graça!

 Se você estiver pensando em ir para Barbados e quiser nos perguntar alguma coisa, tirar alguma dúvida, deixe um comentário abaixo e teremos o enorme prazer em ajudá-lo!

Contato

Quer entrar em contato com o blog? Então anote o nosso e-mail: temperourbano@gmail.com